quarta-feira, 9 de setembro de 2015

O Poder dos Cinco Animais Chineses Sagrados

Segundo a tradição chinesa, o Universo é uma das expressões do Tao. Muito foi escrito para tentar definir o Tao. Lao-Tsé, na sua obra To Te King, sintetizou que: “O Tao que pode ser definido não é mais o Tao”. Entretanto, Henri Borel na sua obra sobre o taoísmo “Wu Wei, a Sabedoria do Não-Agir”, assim definiu o Tao através do seu personagem principal do livro, o próprio Lao-Tsé: “Em poucas palavras, poderia dizer que o Tao não é senão o que vós, estrangeiros, entendeis por Deus. (...) Observa que ambos são designados pelos mesmos atributos. O Tao é o Único, o Absoluto, o Princípio e o Fim. Ele compreende tudo e tudo a ele retorna”.
O Tao, portanto, antecedeu a criação. Esse vazio pleno de potencialidade foi fecundado pelo desejo da criação do Universo, que se manifestou em duas forças opostas e complementares: o yin e o yang. O entrelaçar ininterrupto dessas duas forças polarizadas gerou o chi, ou “respiração cósmica”, a energia primordial. O yin é representado pela cor escura e simboliza o feminino, suave e receptivo. O yang é a força masculina, luminosa, ativa e criativa. Os chineses usam uma metáfora poética para designar o yin e yang: eles são os pais do Universo e o chi, o amor que os une.
O yin e o yang são forças que se manifestam fisicamente na Natureza, através de cinco elementos: fogo, terra, metal, água e madeira. Esses elementos formam ciclos, que podem ser de nutrição (construtivos) ou de controle (destrutivos). O ciclo construtivo é: a água nutre a madeira, a madeira produz o fogo, o fogo aquece a terra, a terra gera o metal, o metal enriquece a água. O ciclo destrutivo é: o fogo derrete o metal, o metal corta a madeira, a madeira controla a terra, a terra absorve a água, a água apaga o fogo.
Esses cinco elementos estão associados aos cinco animais sagrados, cinco formas ou símbolos, cinco cores e cinco direções cardeais.

Como aplicar a energia dos cinco animais chineses sagrados

Há alguns anos estudo Astrologia Chinesa e Feng Shui. A Astrologia Chinesa é baseada nos ciclos lunares num período de sessenta anos. São doze signos zodiacais, representados por doze animais que regem cada ano, com início em janeiro ou fevereiro. Em sessenta anos, cada animal aparecerá cinco vezes, um ano em cada um dos cinco elementos. Portanto, as características dos signos mudam de acordo com o elemento sob cuja influência se encontrarão.
O Feng Shui é uma técnica chinesa milenar para harmonização de energias. A filosofia Feng Shui, que significa “Vento e Água”, estuda a integração homem-céu-terra e tem se tornado cada vez mais conhecida no ocidente. Sua aplicação abarca desde residências, até cidades e pessoas. No oriente, desde a antiguidade, qualquer vila e posteriormente cidade, possuía um planejamento de construção com fundamento no Feng Shui. A República de Singapura é um exemplo atual da aplicação do Feng Shui. Antes da construção do metrô que cruzaria todo o país, um especialista em Feng Shui foi consultado, para verificar qual a direção que o metrô deveria seguir, de modo a não prejudicar o fluxo do chi, o que poderia afetar a harmônica circulação de energias de saúde, prosperidade e abundância do país e de seus habitantes.    
O proposto chama-se “Ritual de Invocação dos Cinco Animais Sagrados”, e foi por mim intuído tendo como fundamento a poderosa energia ancestral que é possível evocar através de cada um dos cinco animais sagrados. Para tornar o ritual mais eficaz, aliei a invocação à técnica de PNL – Programação Neurolinguística - de ancoragem espacial.
Ao longo dos anos, este ritual tem se mostrado uma magia poderosa capaz de conectar os praticantes com os fluxos do chi no Universo e na Terra – as veias do dragão, harmonizando-os e favorecendo seus objetivos. Este ritual pode ser celebrado visando a cura para os desequilíbrios energéticos sistêmicos, vulgarmente conhecidos como “doenças”. As aplicações são infinitas.
Invocar, do latim invocare, significa “implorar a proteção ou o auxílio de; fazer súplicas; chamar em seu socorro. Pedir, rogar, suplicar; alegar em seu favor, recorrer a. Evocar, conjurar.”  
Portanto, trata-se de um ritual que deve ser realizado com muito respeito e reverência, sempre com fins nobres, como autoconhecimento, orientação, harmonização. Tenha em mente que entrar em contato com a energia chi equivale a receber a energia vital diretamente das veias do dragão. Isso significa que se essa energia não for corretamente utilizada e se o praticante tiver intenções mesquinhas ou maléficas, atrairá para si grande prejuízo, pois o dragão não emprega sua força para o mal.


Os Cinco Animais Sagrados

Cinco são os animais sagrados para os chineses e seu significado simbólico deve estar bem claro para o praticante do ritual:

Tartaruga

Elemento: água – yin
Direções (para nós que estamos no hemisfério sul): sul e “atrás, nas costas”. Na China, é o norte.
Cor: azul escuro ou preto
Símbolo: ondas
Estação do ano: inverno
Qualidades: paciência, resignação, compreensão, constância, tranqüilidade

A tartaruga é proteção, segurança. Representa tranqüilidade e passividade constantes, se locomove devagar mas sempre. Aprender a não ter pressa de realizar os objetivos, demorando-se na elaboração da estratégia a ser adotada para atingi-lo: essa é a lição da tartaruga. Antes de partir para a ação, procure estudar todos os pormenores, inclusive o que pode falhar e as estratégias alternativas para contornar estes empecilhos. Tenha sempre uma reserva do que quer que seja antes de dar início ao seu plano. Pode ser dinheiro, paciência, tempo, amor, etc. Qualquer coisa que seja a “matéria-prima” ou “o capital de giro” do seu plano, você precisará de mais do que imagina. Querer apressar as coisas porá tudo a perder. Acredito que o principal benefício que a tartaruga pode trazer é paciência e constância. A tartaruga é especialmente indicada para as situações que perdurarão, às quais independem da vontade e não podem ser alteradas. Neste caso, ela lhe dará sabedoria e resignação, mostrando que quanto mais se revoltar e tentar fugir, mais intenso, insuportável e prolongado tornará seu sofrimento. O melhor a fazer é parar, observar, meditar e entender. E quando conseguir alcançar a compreensão através da sabedoria da tartaruga, uma nova situação surgirá, pois a lição terá sido apreendida. Não se deve correr, mas também não se deve parar. Acomodar-se na situação, portanto, igualmente trará prejuízos. Não adianta ignorar o que está em volta, como meio de fuga até que tudo passe, se resolva ou mude: se não compreender, não conseguirá se libertar. Faça como a tartaruga: caminhe devagar mas com segurança, viva um dia de cada vez. Encare a situação com paciência e resignação, ainda que só por hoje.    

Fênix

Elemento: fogo – yang
Direções (para nós que estamos no hemisfério sul): norte e “na frente, visão”. Na China, é o sul.
Cor: vermelho
Símbolo: triângulo
Estação do ano: verão
Qualidades: flexibilidade, renovação, começar e terminar, liberdade, desapego

Essa criatura mítica assume para os chineses uma nobre missão: a de alçar vôo e ampliar a visão. A fênix permite a análise de qualquer situação sob todos os pontos de vista, todos os ângulos da questão, pondo fim às limitações criadas pela mente. Por que é preciso estar de um lado ou do outro? Esteja em todos os lugares, coloque-se na posição da vítima, do algoz, do julgador, da sociedade. Permita-se encontrar inúmeras alternativas para a mesma situação. A principal lição da fênix é tornar-se flexível para se adaptar, adquirindo assim mais vantagens, mais qualidade de vida, liberdade, desapego. A fênix não só vê, mas enxerga, e aqui reside uma grande diferença. Além disso, ela enxerga com os olhos do espírito, ou seja, ela vê, interioriza, sente e depois responde. Esse é um ciclo completo, como o do nascimento ao renascimento. Para a fênix, nada termina e nada é, de fato, novo. O espírito é eterno, o corpo é passageiro. A fênix proporciona uma compreensão maravilhosa da vida após a morte e do desapego que podemos cultivar em relação aos nossos entes que retornam para o mundo espiritual. Saudade sim; incompreensão e revolta diante do desencarne, não. Isso também se aplica a deixarmos as pessoas que amamos simplesmente partirem se assim o desejarem, pois devemos ter à nossa volta quem realmente quer estar conosco, e não quem nós queremos que esteja conosco. Deixe o passado no lugar dele, com a tartaruga. Aprenda a olhar para frente com a fênix, a se regozijar pelo hoje, plantando boas sementes para ter boas colheitas. Essa é outra valiosa lição chinesa: o ontem já passou, por isso se chama “passado”; o amanhã ainda não existe, por isso se chama “futuro”; o hoje é uma dádiva, é onde estamos e podemos fazer a diferença. Por isso se chama “presente”.   

Dragão

Elemento: madeira – yang
Direções: leste e à esquerda
Cor: verde
Símbolo: cilindro
Estação do ano: primavera
Qualidades: reavivamento da energia vital e sexual, prosperidade, abundância, sucesso material e profissional, harmonização do espírito com a matéria, inspiração e criatividade

Para os chineses, o dragão é símbolo de poder, conhecimento e sensualidade. Lidar com o dragão exige certa cautela, pois uma vez despertada a sua força, o feitiço pode virar contra o feiticeiro. O dragão representa o espírito, a intuição, os poderes desconhecidos, as forças incontroláveis da Natureza. Sua especialidade é proporcionar prosperidade e abundância, desde que se faça por merecer. O dragão pune aquele que o desperta para trabalhar para si, sem fazer sua parte. Dinheiro, bens materiais, sucesso profissional, saúde do corpo são algumas das benesses deste animal sagrado. Entretanto, com a mesma rapidez que ele traz, ele pode levar. Assim, é preciso adquirir merecimento para receber estas energias de prosperidade material do dragão, através do conhecimento, responsabilidade e trabalho, para que não se deixe dominar pelo poder e pelo brilho do ouro e do sucesso, caso contrário, a ruína será certa. Trabalhe primeiro, peça o reconhecimento e o retorno ao dragão depois. A energia do dragão pode ser aplicada para desbloquear e tratar medos e traumas e desvios de ordem sexual; para ativar a sensualidade, a auto-estima, a libido nas bruxas, e a virilidade e a masculinidade nos bruxos. Também proporciona fluxo contínuo de energia vital, auxiliando na recuperação de “doentes” ou convalescentes, especialmente para pessoas com anemia profunda, apatia e/ou depressão.  

Tigre

Elemento: metal – yin
Direções: oeste e lado direito
Cor: branco
Símbolo: círculo
Estação do ano: outono
Qualidades: ação, atitude, otimismo, independência, força, confiança, destemor, inteligência

O tigre representa a energia da ação, sustento próprio, defesa e ataque. É o lado racional, lógico do ser humano, cuja capacidade mental deve-se aprender a desenvolver e usar favoravelmente. O tigre ensina que quem deseja alguma coisa, deve buscá-la. Não espere que os desejos se realizem por encanto, peça forças ao tigre e vá à luta. Não espere as respostas, crie-as. Não aguarde que tudo se resolva, tome uma atitude, seja qual for, ponderando sempre as conseqüências. O tigre parte do princípio que o certo e o errado não existem, tudo é experiência. Afinal, este é um mundo de aprendizado e evolução. No entanto, o tigre é um observador arguto e inteligente. Ele ensina que não é necessário cometer erros para aprender, pode-se aprender a partir das experiências alheias, observando os “erros” e os “acertos” dos outros. As grandes habilidades que o tigre traz são analisar, pensar e agir, sempre agir. O tigre se nutre por conta própria, sem precisar dos outros. Sua mensagem é: seja simplesmente quem você é e goste de si mesmo, dispensando opiniões. O tigre é solitário por natureza. Ele ensina que o amor de cada um deve se bastar. Isto equivale dizer que não se deve buscar alguém para não se sentir solitário, para se sentir completo; ao contrário, busque o outro quando você já estiver completo, de modo que possa trocar e compartilhar experiências,  enriquecendo ambas as existências. Com a força do tigre, torne-se capaz de andar com as próprias pernas, ser independente emocional, psicologica e financeiramente. Quem sabe o que é melhor para cada um é a própria pessoa. E se não sabe, precisa descobrir por si. Os pais devem se regozijar pelos filhos saírem do ninho; os filhos devem ter coragem e partirem para o mundo com alegria e confiança. Não tenha medo, confie em si mesmo, você consegue! Essa é a inigualável força do tigre.    

Serpente

Elemento: terra – yin
Direção: centro
Cor: amarelo
Símbolo: quadrado
Qualidades: equilíbrio, perfeita harmonia, consciência do eu e do todo, plenitude

É na serpente que o chi se concentra, pois é onde o Tao se manifesta. É para o centro que todos os outros quatro elementos convergem, e de onde partem. A serpente é o intervalo entre as estações, é o equilíbrio entre o yin e o yang. É a fluidez, o movimento constante da vida, da Natureza, do Universo, sempre se alternando neste mundo entre  dualidades como dia ou noite, frio ou quente, claro ou escuro. É no centro que surge a vida, de um único ponto fez-se luz e criou-se o Universo. E é para este ponto que tudo deve retornar um dia. A serpente é o grande harmonizador cósmico, representa os ciclos universais. Para esta magia, é o estado da serpente que se pretende alcançar.

Ritual de Invocação dos Cinco Animais Sagrados

Este ritual pode ser realizado basicamente de duas formas: através da invocação da energia de todos os animais ou canalizando-se a energia de cada animal individualmente. A primeira forma do ritual objetiva a harmonização e a cura dos corpos físico, mental, emocional e espiritual. A segunda visa o afloramento das qualidades que o animal proporciona. Disse “basicamente” porque o praticante pode criar outras formas de ritual. Siga sua intuição, trabalhando pelo seu bem maior e de todos os envolvidos, e será abençoado por essas poderosas energias ancestrais.
Faça o ritual num local e horário em que não será perturbado. Demore quanto tempo desejar. Pegue cinco pedaços de papel e escreva em cada um o nome do animal e suas características: elemento, direção, cor e símbolo. Se preferir, desenhe os animais.
Disponha os papéis no chão formando uma cruz. No centro, a serpente; na sua frente, a fênix; atrás, a tartaruga; do lado esquerdo, o dragão; do lado direito, o tigre. Para os primeiros rituais, é melhor ter em mãos o significado dos animais para facilitar.
Posicione-se em pé sobre o papel que representa a serpente. Faça uma prece pedindo de coração a intervenção dos cinco animais sagrados em seu favor, que eles possam doar suas energias para seu bem maior.
Imagine a serpente amarela surgindo diante de você. Visualize todos os detalhes: como é essa cobra, sua cor, tamanho, se é assustadora ou não, se ela se comunica com você de alguma forma, se exala algum odor, se lhe lembra alguma música, etc. Diga-lhe o que deseja. Imagine que a serpente responde que lhe proporcionará o que deseja através das energias dos outros animais sagrados. Agradeça e caminhe até o próximo animal, posicionando-se sobre o papel correspondente. Não existe uma ordem a ser seguida. Repita o processo com todos os animais, imaginando e sentindo as energias que lhe cedem durante o ritual.
Preste atenção aos sentimentos que os animais sagrados despertam em você, como o via antes e como o vê depois de receber sua energia; como se sentia e como se sente em relação ao animal e a você mesmo. Agradeça cada um deles. Ao final, retorne à serpente, abra os braços e afaste as pernas em forma de estrela, sentindo a convergência de todas as energias dos cinco elementos para dentro de você, depois à sua volta, criando um fluxo constante e poderoso que o une à terra e ao céu. Agradeça aos animais, à Deusa (ou à entidade superior que preferir) e afaste-se das âncoras espaciais (os papéis no chão).  
É interessante manter um registro sobre suas impressões do ritual. Anote sobre os animais que você eventualmente teve dificuldade para visualizar e sentir e/ou os que surgiram com facilidade. Eles representam as energias que lhe faltam, as quais devem ser trabalhadas com especial dedicação, ou as energias com as quais já está harmonizado, respectivamente.
Repare se algum animal lhe causou medo ou repulsa, e se este sentimento mudou ao longo do ritual. Essas anotações têm a função de demonstrar sua conexão com estas energias ao longo do tempo, se houve alteração e de que forma; se os sentimentos ou sensações em relação aos animais mudou e como; e principalmente, se você percebeu melhoras em si e ao seu redor e quais foram.
O praticante pode alterar o ritual como lhe aprouver, pronunciando palavras ou alguma oração, por exemplo, se assim o desejar.
Quanto ao ritual para invocar somente um animal com um objetivo específico, oriento o praticante a não se deter no mesmo animal sem trabalhar as energias dos demais, pois assim procedendo se desequilibrará. Se for o caso de desenvolver habilidades que se encontram adormecidas, faça breve conexão com os outros animais ao final do ritual, sempre partindo e voltando para a serpente.
De resto, sua intuição é a melhor orientação. Não existem regras fixas, o importante é sentir-se bem e alcançar o objetivo almejado.

A deusa que há mim saúda a deusa ou o deus que há em você!

2 comentários:

  1. Lady Mirian, boa tarde.
    Eu tenho lido o seu livro, "Bruxas" , e lendo este artigo agora vejo uma oportunidade de esclarecer uma dúvida que me acompanha a algum tempo.

    Quando você menciona a inversão do norte/sul no hemisfério sul em relação ao hemisfério norte, está se referindo ao norte verdadeiro ou ao norte magnético.
    Por exemplo olhando numa bússola o ponteiro que aponta para o norte informa o norte magnético, significa que o norte da bússola é na verdade o sul, o norte verdadeiro seria o ponteiro sul da bússola. É essa a inversão a que se refere?

    Desculpe o post extenso! Sou grata pela atenção.

    Amei seu livro, aguardo anciosa pelo próximo.

    Bençãos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Agnes. Desculpe a demora em responder. Bom, quando eu falo em "inverter" não me refiro nem ao pólo físico, nem ao magnético, e sim a inversão das energias a serem atribuídas àquela direção. Explico: se você for para os EUA - hemisfério norte, em dezembro, eles estarão no início do Inverno, enquanto aqui no H.S., estaremos no início do Verão, correto? Considerando-se que na Magia Celta (e em outras tradições também) os pontos cardeais são associados às estações do ano e consequentemente a domínios (elementos), entendo que para quem está aqui no Brasil - HS, não há como associar o domínio das Águas/Frio à direção Norte que para nós é extremamente quente (Norte/Nordeste). Por outro lado, para quem está no HN, os Estados do Norte daqueles países são frios, e os Estados do Sul são quentes, certo? Além disso, entendo que não há como praticar um ritual de Magia Celta ligado a determinada estação, em outra, como por exemplo, celebrar o Samhain que é o pico do Outono, em 31/10 porque estamos no pico da Primavera. Entretanto, sei que muitas tradições de Magia não invertem a Roda do Ano, e praticam o Samhain em 31/10 aqui no Brasil. Pessoalmente discordo, mas respeito - fica a critério de cada um. Espero tê-la ajudado. Se ainda tiver dúvidas, por favor, escreva. Bjs e bênçãos...

      Excluir