segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

ARCANO 20 - O JULGAMENTO

A carta escolhida fala da descoberta dos mistérios ocultos que traz a transformação, a transmutação do ser, que é “O Julgamento”. É quando barreiras são rompidas, a fronteira entre dois mundos é cruzada, e o ser, livre e desprovido das suas limitações, que podemos interpretar como o corpo físico, se estivermos falando da desencarnação; ou como um conjunto de hábitos, comportamentos e crenças, se estivermos falando de uma mudança radical no nosso modo de ser e viver; se sente totalmente liberto para não mais pensar, mas simplesmente sentir, vibrar e ser, em comunhão com o Todo. Esta carta também pode mostrar o êxtase místico através do qual o iluminado alcança a sabedoria e fica mais próximo da Criação.
O Julgamento, longe de conter o conceito retrógrado mas razoavelmente novo do julgamento católico da alma sendo encaminhada para o céu ou para o inferno, oferece, ao contrário, uma nova perspectiva de compreensão e integração do indivíduo com o macrocosmos, da criatura com a fonte criadora.
Nesta hora, não existem barreiras, não existem padrões, não existe nada além do ser que pulsa e sente em uníssono com o Universo. Permita-se se libertar de preconceitos, medos, angústias, e qualquer pensamento ou sentimento limitante que o impeça de ir além.
A prisão está dentro de nós, em nossas mentes ou espíritos. Liberta a mente, onde o corpo se encontra é insignificante. A realidade é subjetiva, nós a criamos. Não existe certo ou errado, existe um julgamento social que nos permite conviver em sociedade e existe a verdade profunda, que está dentro de cada ser. Só você pode encontrar e compreender a sua verdade.
E nesta jornada incessante, posto que terminada a jornada não há mais interesse na vida, o que se pode concluir é que o Tarot é o meio, o fim e o começo.  

A deusa que há mim saúda a deusa ou o deus que há em você!

Nenhum comentário:

Postar um comentário